domingo, 2 de outubro de 2011

Gaia x homem x mercado

O homem não se considera parte componente no universo, parte do organismo vivo conhecido como Terra, ou mesmo, Gaia. Essa falta de uma interligação, de um reconhecimento do homem como integrante desse organismo complexo, faz com ele se sinta no direito de submeter a natureza e dela retirar todo o necessário para seu desenvolvimento.

Seguindo a premissa do desenvolvimento a todo o custo, típico conceito da atual forma da sociedade, utiliza da tecnologia para obter o máximo possível da natureza, afim de saciar sua dependência consumista e garantir a perpetuação dessa falsa premissa de desenvolvimento.

A visão de um desenvolvimento que interaja com a natureza, sem prejudicar o modo de produção, penalizando os mais pobres pela poluição, retirando assim dos ricos, verdadeiros poluidores, atende a uma ótica unicamente mercadológica. Essa concepção de um mercado sempre em desenvolvimento, designando às tecnologias que virão a obrigação de salvar o planeta, mascara dentro de um conceito de desenvolvimento sustentável a obtenção cada vez maior de riquezas e o empobrecimento de sociedades e da biodiversidade.

O homem como parte integrante de um sistema vivo mais desenvolvido e complexo, necessita-se enxergar como parte de um todo. A Terra sobrevive sem o ser humano, mas a premissa contrária não se aplica ao caso.